sábado, 28 de julho de 2018

O preconceito à violência contra a mulher

Olá Pessoas boa tarde! Faz algumas semanas uma moça foi morta pelo ex namorado a tiros e facadas (isso mesmo por mais chocante que possa parecer) aqui na minha cidade. Isso aconteceu um pouco antes das nove da manhã, dentro do ônibus. Ela estava a caminho do trabalho.
E foi uma tragédia anunciada, pois ele já tinha tentado matá-la um mês antes, na própria farmácia onde ela trabalhava. Por este motivo o patrão lhe deu um mês de férias e, no primeiro dia de trabalho aconteceu este fato triste, porém tão corriqueiro, pois muitas são as mulheres que são assassinadas por ex companheiros. Este caso me chocou demasiado por diversos motivos: a moça tinha o mesmo nome que eu , o fato ocorreu bem próximo ao meu local de trabalho e eu sou cliente da farmácia onde ela trabalhava. E, não bastasse, minha prima é PM e estava no local do crime, com a equipe que a socorreu e, me disse que a pobre lutou pela vida até o último momento. Ela não queria mesmo morrer! É traumatizante experienciar algo assim e, mais traumatizante o que irei narrar em seguida.
É revoltante a mente do ser humano, é repugnante o pensamento preconceituoso, mesmo diante de uma desgraça como esta. Muitas pessoas chegaram a culpá-la pelo acontecido, afinal por que ela não foi embora, visto o perigo iminente? Parece que queria mesmo morrer, não é verdade?! 
Verdade uma porra!!! Pensamento ordinário, pobre, vil, nojento, cruel e, sobretudo, perverso e egoísta de pessoas que são incapazes de colocar-se por um momento no lugar do outro. Gentem não é fácil mudar de cidade, abandonar emprego, filhos, família. Penso por mim, se Deus me livre, aparece um louco desse na minha vida... o que eu faria? Estaria lascada, no cu da cobra, no bico do corvo, pois não é fácil mudar de vida de repente, principalmente quando não se tem dinheiro. 
Infelizmente, a mulher ainda leva a culpa nos casos de violência contra ela própria, seja nos de assassinatos ou de estupro, onde muitos dizem que a culpa é da maneira como a vítima se vestia ou porque andava sozinha à noite, num local escuro ou  talvez  porque simplesmente  tinha uma buceta no meio das pernas, não é mesmo? E o que me deixa mais passada, engomada, enojada ( esta é a palavra correta) é que quem pensa desta maldita forma não são só os homens não, mas muitas mulheres que se olvidam que um dia poderão vir a ser vítimas também, porque neste mundo ninguém tem garantia de porra nenhuma, só da morte, por isso mesmo nós, mulheres, deveríamos ser mais solidárias umas com as outras. E vou logo avisando que isso não é um discurso feminista, à merda bandeiras disso ou daquilo, porque na vida real, elas não nos servem para nada e não nos representam quando passamos a ser  apenas estatística, um número a mais na longa lista de óbitos da violência contra a mulher.
Mais uma vez digo que precisamos e, urgentemente, rever nossos malditos valores, antes que sejamos engolidos por eles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário