terça-feira, 7 de julho de 2015

Maju

Vira e mexe venho aqui contar algum fato de racismo, muitos dos quais vivenciados por mim própria. Principalmente no que se refere aos meus filhos e aos meus cachos armados e cheios de volume. Desço do salto quando dizem que meu cabelo é ruim, respondo que o meu cabelo é crespo, duro e lindo, ruim é o racismo e a ignorância de quem o diz . Muitos são os comentários que deleto ( graças aos deuses podemos deletar os comentários antes de publicá-los) e vai tomar onde a pata toma quem me chamar disso ou daquilo por não publicar frases que não vão agregar nada de bom ao nosso espaço. Venha pro lado de cá.
O Brasil é sim um país racista e prova disto foi o que aconteceu com a repórter do Jornal Nacional, Maria Júlia Coutinho, a  tão amada e competente Maju - a mamãe a acompanha desde o Bom Dia Brasil e agora não perde o JN somente para babar na forma ímpar como a moça dá as notícias do tempo. Até eu me encantei com ela. Esta moça foi vítima de pessoas cruéis que se fizeram comentários horrendos na página do Facebook da Rede globo de Televisão. E isso acontece todos os dias nas cidades brasileiras. Muitas são as Majus que sofrem abuso todos os dias. O Brasil é um país extremamente preconceituoso, seja com a sexualidade, onde se mata seres humanos simplesmente por ter uma orientação sexual fora do padrão considerado " normal" por uma cambada de gente hipócrita e nojenta que se julga superior ; seja religioso, onde apedrejam uma criança de onze anos simplesmente por professar uma fé diferente da que essa mesma cambada professa; um país onde pobres são tratados como números, pra não dizer como lixo.
Se você é negro, pobre e mora em favela ( muda o nome para comunidade, mas o preconceito continua igual) a imensa maioria vai tratá-lo como bandido e sua você corre o risco de ser assassinado pela própria polícia, como aconteceu com Amarildo. E se você consegue, a duras penas, chegar ao auge, como o fez Glória Maria, Joaquim Barbosa, Taís Araújo, Lázaro Ramos e a própria Maju, dentre outros você ainda sofre preconceito por isso. Tempos atrás escrevi sobre o Wallace, um dos raros jogadores negros no voleibol, que ouviu de uma palhaça " volta pro zoológico macaco". Isso sem falar no que passou Aranha o goleiro do Santos em Porto Alegre. 
Casos de racismo acontecem todos os dias no país e a imensa maioria não chega na mídia. Quando chegam, ou foi porque aconteceu com famosos, como o caso da Maju, ou porque atingiu o limite da dignidade humana como são os casos de muitos travestis assassinados, um deles semana passada por policiais em São Paulo ou caso do Amarildo, um trabalhador que por ser morador da favela foi torturado e espancado até a morte por policiais militares do Rio de Janeiro, simplesmente para dar informações sobre uma boca de fumo próxima à sua casa. Quando se trata de negros , pobres e demais minorias a polícia esquece que o seu dever é servir e proteger.
No dia 14 de junho uma criança de onze anos adepta do candomblé estava indo a um centro espiritualista quando foi apedrejada por um grupo de evangélicos. Vejam vocês a involução total do ser humano: Há mais de dois mil anos atrás o próprio Cristo mandou que atirasse a primeira pedra aquele que não tivesse pecado. Hoje pessoas que se dizem cristãos apedrejam uma criança por não professar a mesma fé. 
Infelizmente as leis no nosso país ainda são muito brandas para monstros, doentes, psicopatas, verdadeiros criminosos que praticam crimes assim. Só com punições severas é que teremos mais respeito com as minorias sejam elas gays, negros, pobres, adeptos do candomblé, moradores de rua, enfim daqueles que são tidos como excluídos numa sociedade hipócrita como a nossa, onde o racismo, institucionalizado (vide as declarações de alguns nobres deputados à causa gay), é intrínseco nas nossas veias. 
Ainda assim não me envergonho de ser brasileira. Tenho orgulho e quero contribuir - da forma que for, para o fim  do racismo, mesmo que seja apenas escrevendo, levando até o mundo o que se passa nesta país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza.


Este post é dedicado a pessoas que, assim como eu, foram em algum momento de suas vidas, vítimas desse crime hediondo chamado RACISMO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário