quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Conheço muitas pessoas de bem que são completamente contra o aborto sob quaisquer circunstâncias, entretanto dizem que bandido bom é bandido morto. O Caetano sintetizou bem isso na música Haiti: " E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto e nenhum no marginal. "
É uma contradição muito grande. Um paradoxo, principalmente em se tratando de um país tão desigual como o nosso alguém falar tal absurdo. Não que eu seja totalmente  a favor do aborto - há casos e casos, entretanto vida é vida, seja ela de um feto, de uma criança, de um homem "de bem" ou de alguém que vive à margem da sociedade. 
A verdade é que o cidadão típico da classe média (qual letra seria no alfabeto?) acredita que este é o único jeito de acabar com a violência, visto que as cadeias não ressocializam o que nunca foi socializado - aquele que, muitas vezes, já nasceu desprovido de cidadania.
Num país com tamanha má distribuição de renda como o nosso, as oportunidades não são iguais, os homens não são iguais e muito menos nascem iguais... 
O que eu vejo, mais do que desigualdades sociais, são injustiças sociais. E os invisíveis para a sociedade não têm cidadania, não têm um nome, não têm alma...

Um comentário:

  1. A questão do aborto é muita complexa, envolve muitas formas diferentes de pensar, acho que deveria sim, ser muito bem estudada, pois cada caso é um caso.Um feliz fim de semana pra você.

    ResponderExcluir