domingo, 19 de maio de 2013

O Amor

Quando menos se espera o amor chega quietinho, de fininho, de mansinho e sem  fazer estardalhaço vai ocupando espaço, demarcando seu lugar.
E se instala do lado esquerdo do peito, invadindo tudo como um tsunami de emoção.
Muda completamente o rumo das nossas vidas, dos nossos planos; fuça tudo, vira tudo do avesso, deixando a maior bagunça - virando nosso mundinho de ponta a cabeça.
Não nos damos conta das mudanças, vamos nos habituando, sendo engolidos por elas. Mudamos junto sem perceber, sem reclamar!
E pra quê reclamar?! Embora o amor desarrume, desestruture, nos engula inteiros e  mude para sempre todo o rumo de nossas histórias, a melhor coisa que pode acontecer ao ser humano é ser encontrado por esse maremoto de emoções deliciosamente inquietantes e inexplicáveis... 
Portanto, meu amigo, não se espante se de repente surpreender-se cantando ou escrevendo versinhos ou crônicas ridículas, tal qual esta louca que vos escreve. Ninguém está imune ao amor.
Cida Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário