sexta-feira, 2 de março de 2012

Infância





Gentem!!! Eu estava postando a poesia do Vinícius e de repente me veio na mente a  minha infância. Quando eu era criança morria de medo de crescer, inconscientemente sentia medo de perder minha essência,me tornar uma outra pessoa; eu considerava os adultos chatos. A minha mana tinha medo por outros motivos: não poder assistir " A Caverna do Dragão ", nem brincar de bonecas. Hoje eu me tornei uma adulta chata e, a Simone não brinca mais de bonecas, nem lembra mais da Caverna do Dragão. 
É triste perceber que com o tempo  involuímos, enverdecemos. Andamos para trás, tal qual caranguejos carentes. Sim, carentes. Sentimos carências diversas; de ser aceito em  um grupo, de ter mais e mais prestígio, mais e mais grana, mais e mais sei lá mais que porras. A verdade é que nos distanciamos de valores verdadeiramente importantes, como a amizade por exemplo. Não vemos mais graça nas coisas simples que a vida nos oferece. Meu filho de onze anos se sente o cara mais feliz do mundo porque está brincando com uma droga de uma bolinha há mais de duas horas. Se diverte com dois amigos de sua idade. Vai você ficar brincando com um troço desses e vê se tem saco. Sabe por que? Porque perdemos a capacidade de nos concentrar no que não consideramos importante para nosso " crescimento", não podemos perder tempo. E perdemos a capacidade de amar verdadeiramente, de aceitar o outro. A criança não importa com a condição social do amigo,que marca de roupa ele  usa, que curso ele faz ou o que este amigo pode lhe oferecer de vantagem pessoal. Importa só se esse amigo é uma pessoa legal, ou um chato que não curte as mesmas brincadeiras, os mesmos jogos. Coloque duas crianças numa sala de espera, aposto que em poucos minutos estarão conversando, brincando e sorrindo como se já se conhecessem há décadas. Tira os pirralhos e coloca dois adultos, verá que quanto maior a diferença econômica e social, invariavelmente se afastarão mais um do outro. Infelizmente é verdade. Vamos crescendo e esquecendo que somos iguais na essência, somos todos seres humanos. Vamos crescendo e nos afastando do que julgamos diferentes de nós. As diferenças nos assustam.Mas não fomos feitos iguais, para que pudêssemos nos completar. Já pensou se o mundo todo fosse pintado de amarelo ou de azul? Que graça teria? Hum? Já pensou no que realmente importa pra você?  O que realmente te dá prazer? Hum?
Vamos tentar ter uma visão mais infantilizada da nossa situação atual. Vamos nos levar menos a sério. Rir das nossas bobagens e sentir prazer com as coisas mais simples, como convidar um amigo para assistir um filme com pipoca e guaraná. Quer uma boa dica? O Curioso Caso de Benjamin Button.
Um xero da Titia

Nenhum comentário:

Postar um comentário